Artigos

anúncios

GOOGLE E FACEBOOK ADS: SAIBA COMO INVESTIR EM ANÚNCIOS ESTRATEGICAMENTE

No RD on the Road, o maior projeto itinerante de Marketing Digital e Vendas da América Latina, promover anúncios no Google e no Facebook era um tema que não poderia ficar de fora. Para falar sobre esse assunto no evento que contou com a presença da Agência Madison e foi organizado pela nossa parceira, a Resultados Digitais, o palestrante foi Edney Souza, conhecido popularmente como InterNey, um dos precursores da internet no Brasil.

Formado em Processamento de Dados, com pós-graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a Negócios, trabalha com tecnologia e comunicação desde 1990. Seu blog, o InterNey.net, foi reconhecido como o mais popular do Brasil em 2006, 2007 e 2008. Atualmente, é diretor acadêmico na Digital House, professor de Marketing Digital na ESPM, organizador da SMWSP, editor do WordPress.com, colunista do Adnews e conselheiro na ABRADi-SP.

Em termos estratégicos, Interney afirma que os anúncios não devem ser pensados somente para a parte da conversão. A dica é investir primeiramente em consciência de marca (awareness): “se você está falando para a pessoa baixar alguma coisa da qual ela nunca ouviu falar na vida, ela não vai fazer isso”. Para isso, o primeiro passo é construir uma persona a partir de dados, a fim de entender para quem você vai anunciar.

“Internet é sobre pessoas.”

Depois da aquisição (acquisition), já na fase de ativação (activation), é preciso garantir que a pessoa está usando o que baixou ou adquiriu e, na etapa seguinte, fazer um acompanhamento com os clientes para garantir a retenção (retention). A chamada revenue é para quem tem uma versão gratuita do serviço ou produto e precisa convencer as pessoas a pagarem por uma versão mais completa. Por fim, estão as indicações do público (referral).

anúncios 

Porém, aqui vale colocar duas coisas, de acordo com InterNey: o relacionamento não acaba no fim do funil e, principalmente, nem todas as pessoas seguem essa jornada de compra. É o que ele chama de micromomentos: eu quero saber, eu quero ir, eu quero fazer e eu quero comprar. Nesse caso, ele sugere fazer anúncios específicos para os micromomentos, com muita atenção à segmentação desses anúncios, sobretudo deixando de lado os estereótipos do público: “o mundo mudou”.

“Segmentação é interesse, não gênero ou idade.”

Nesse ponto, vale ressaltar a definição do público-alvo, uma vez que, segundo InterNey, um público definido há anos está errado: “Temos que reaprender quem é nosso público a cada seis meses, um ano no máximo”. Se você tiver dúvida em como atingir seu público, a dica do especialista é utilizar o Google para quando há demanda e o Facebook para gerar oportunidades, sendo que há casos que você pode combinar as estratégias.

Os canais podem oferecer diversos formatos, como texto, foto, stories, vídeos, podcasts, lives etc. O conselho de InterNey neste ponto é que o conteúdo seja útil e, claro, interessante para o consumidor – um conteúdo viral indica que deve ser promovido, não o contrário. Além disso, realizar testes A/B em imagens, CTAs e segmentações podem ajudar você a entender melhor o que realmente funciona para o público da sua marca.

“É possível medir tudo. É impossível analisar tudo.”

Para InterNey, métricas como Custo de Aquisição do Cliente (CAC), tíquete médio e Lifetime Value (LTV), por exemplo, realmente são o que pode nos mostrar o que está dando certo e, quando falamos em anúncios, se você deve reinvestir em algo. Só que, no ambiente digital, você consegue medir tudo, então ele indica que, para saber exatamente para onde olhar, o ideal é “definir essas métricas para cada canal e estágio da jornada do consumidor”.

Os relatórios servem para tomar decisões, mas InterNey faz o alerta de que não há fórmula mágica: “Não existem métricas perfeitas para qualquer cenário”. Em resumo, “é preciso desenhar a jornada do consumidor, entender quais canais serão utilizados em cada etapa e também quais são as métricas fundamentais de sucesso em cada etapa”. Mais do que isso, você vai descobrir que“benckmarking no digital é com os seus próprios números”.

Sucesso! Hoje e sempre.

– Com informações do Blog de Marketing Digital da Resultados Digitais e do conteúdo elaborado pelo palestrante para o RD on the Road SP.

Postado por
Cláudio é responsável por Marketing de Conteúdo e Digital na Agência Madison