Artigos

inbound marketing e marketing de conteúdo

Inbound marketing e marketing de conteúdo: qual a diferença?

Não são raras as vezes em que marketing de conteúdo e inbound marketing são confundidos. Se você também não sabe ao certo o conceito de cada um deles e suas respectivas funcionalidades, não se preocupe. É justamente sobre isso que vamos falar neste artigo.

PARA COMEÇAR: O QUE É MARKETING DE CONTEÚDO?

Segundo o próprio Google, 62% dos consumidores buscam informações na internet antes de tomar a decisão de compra. Conteúdo relevante e de muita qualidade é fundamental nessa hora. No site, no blog e nas redes sociais – boas estratégias, que permitam que ele seja encontrado, também (e aqui entra SEO).

Para que a gente possa começar a se aprofundar no assunto, posso dizer que Marketing de Conteúdo, também chamado de Content Marketing, é, de forma direta, todo conteúdo produzido a fim de educar, informar e entreter um cliente prospecto.

Um dos primeiros registros nesse sentido data do século XIX, quando a John Deere, mais especificamente em 1895, publicou a primeira edição de uma revista chamada The Furrow, cujo foco eram assuntos ligados à agricultura. Essa revista está exatamente de acordo com a proposta do marketing de conteúdo, uma vez que é voltada para um público que se interessa por agricultura e que, em determinado momento, poderá ter como necessidade a compra de um trator, por exemplo – aliás, atualmente, a Deere & Company é líder mundial na fabricação de equipamentos agrícolas. Durma com essa.

Brincadeiras à parte, apesar da prática já existir há tantos anos, não havia ainda um nome para ela. Foi o pessoal da Junta 42, que posteriormente formou o Content Marketing Institute, quem criou o termo e começou as discussões em torno do conceito.

Em suma, de acordo com os criadores da expressão, Marketing de Conteúdo é:

Criar e distribuir, através de diversos canais de comunicação, conteúdo relevante e valioso, como forma de atrair, conquistar e envolver um público-alvo.

E O QUE O MARKETING DE CONTEÚDO NÃO É?

Podemos pensar em várias confusões que são feitas quando se fala em Marketing de Conteúdo. Dentre elas, vamos desmistificar agora os principais mitos:

  • Ele não se limita apenas ao online: Por mais que a expressão em si tenha surgido e ganhado força com o advento da internet, suas estratégias devem considerar quaisquer canais de comunicação que engajam e atraem o consumidor. Sendo assim, é correto afirmar que também se faz Marketing de Conteúdo com televisão, rádio e revista (conforme já citamos), por exemplo.
  • Os materiais não devem ser produzidos aleatoriamente: O Marketing de Conteúdo abrange planejamento estratégico, criação e distribuição do conteúdo. E não podemos nos esquecer da implantação de métricas para todas as etapas do processo de compra, fator que tende a determinar a produção do conteúdo.
  • Seu fim não ocorre na geração de leads de qualidade: Ainda que ele tenha uma função na qual se permite conhecer e atender esses leads, o Marketing de Conteúdo é mais profundo e entra em serviços de atendimento ao consumidor.

CONHECENDO O INBOUND MARKETING

O conceito de Inbound Marketing, também conhecido como Marketing de Atração, Marketing de Entrada ou Novo Marketing, foi criado em 2006 pela HubSpot, que o define da seguinte forma:

É uma estratégia complexa, focada na persona, planejada e que reúne as melhores ações de marketing para atrair o público certo para a sua empresa e fazer esses leads passarem por todas as etapas do funil de venda, até estarem prontos para se tornarem um cliente.

E o que vem mudando com ele? Em vez de a empresa ir atrás dos clientes, como estamos acostumados a ver, ela faz com que eles a encontrem, através dos mecanismos de busca, sites, redes sociais etc. Ou seja, no Inbound, é o cliente que procura pela empresa.

Acontece que nem sempre é com a intenção de realizar imediatamente uma compra. Muitas vezes, num primeiro momento, pode ser apenas para buscar respostas para algo ou acabar com alguma curiosidade, mas que, sem querer, ele acabe descobrindo que precisa de uma solução mais efetiva.

É por isso que, no Inbound Marketing, a relação não se restringe somente a visitantes e clientes. Há um funil de vendas que segue uma ordem detalhada, no qual são considerados: visitantes, leads, oportunidades e clientes.

Vale colocar ainda que existem cinco etapas importantes que compõem uma estratégia de Inbound Marketing, que são: atrair, converter, relacionar, vender e analisar. Elas fazem da metodologia um processo sistemático, escalável e até mesmo previsível de aquisição de clientes.

INBOUND MARKETING OU MARKETING DE CONTEÚDO: QUAL USAR?

Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo são conceitos um tanto novos. Como o Marketing Digital tem se consolidado no mercado brasileiro (ainda bem!), uma discussão ganha força: existe diferença entre eles ou se tratam de sinônimos?

Pois bem, ocorre que eles não devem ser tratados nem como “concorrentes” nem como sinônimos, mas como cada um sendo complemento do outro. Ambos fazem parte de um todo, que é o fazer marketing.

INBOUND MARKETING E MARKETING DE CONTEÚDO: COMO USAR

O Inbound Marketing tem como objetivo atrair as pessoas para uma oferta, trocar essa oferta por seus dados e, então, educá-las até que se tornem clientes. É aí que entra o Marketing de Conteúdo. Sabe por quê? Porque não há como gerar leads sem bons conteúdos. Simples assim.

Para que fique ainda mais claro: a ideia consiste em oferecer informação de qualidade às pessoas, para fazer com que, futuramente, elas não só respeitem sua marca e a tenham como referência em sua área de atuação, mas também, que se tornem clientes.

O processo funciona da seguinte maneira:

  1. Inbound Marketing;
  2. Conteúdo para envolver/seduzir o possível cliente;
  3. Quando já for cliente, conteúdo como serviço de atendimento;
  4. Para upselling, novos conteúdos para novas compras;
  5. Para gerar fidelidade e advogados da marca, outros conteúdos.

Fonte: Marketing de Conteúdo

Em resumo, o Inbound Marketing é focado na taxa de conversão, enquanto o Marketing de Conteúdo segue o cliente até que ele volte a comprar e/ou divulgue sua marca positivamente. Se há uma diferença que precise ser destacada, seria justamente essa: o Marketing de Conteúdo sendo uma estratégia de relacionamento com o consumidor e o Inbound Marketing como uma estratégia de conversão e vendas.

CONCLUSÃO

As estratégias vão ao encontro uma da outra quando a empresa se transforma em um canal de comunicação direta com seus clientes, se utilizando de conteúdos ricos como uma forma de atender as necessidades de seu público e atraindo possíveis clientes, sem necessariamente forçar uma venda. É claro que ter conhecimento de quem é seu público-alvo é imprescindível. Já no que diz respeito aos formatos, não há um padrão, mas a criatividade pode determinar o que será usado.

Como você pode perceber, são muitos os fatores e todos eles juntos podem parecer algo bem complexo. Isso sem termos falado ainda da escolha do profissional a contratar. Um jornalista? Um assessor de imprensa? Bem… nesse caso, o ideal seria uma agência mesmo.

Sendo assim, quero aproveitar para te dizer que, precisando, pode contar com a gente. De verdade. Continuaremos te ajudando, a fim de atingir os melhores resultados. E se tiver alguma dúvida de imediato, fique à vontade e comente aqui embaixo.

Sucesso. Hoje e sempre!

Posted by
Cláudio é responsável por Marketing Digital e Performance na Agência Madison